Quinta-feira, 5 de Março de 2015
publicado por JN em 5/3/15

5.3.15.jpegAlgures no Inverno passado, o Melville fugiu-me para se pôr correr atrás de duas vacas. Tínhamos acabado de deixar a Canada da Serra em direcção aos pastos do Galão, por onde na altura fazíamos uma caminhada diária, e eu tirei-lhe a trela assim que saímos da estrada. Foi uns quinze metros cedo de mais: invadiu o primeiro cerrado, pôs-se a perseguir as bezerras que lá estavam e em poucos segundos, com o susto, elas tinham partido o fio electrificado que as circunscrevia.

Só depois, ao rever os acontecimentos desse dia, percebi o significado do que fiz a seguir. Antes mesmo de me informar sobre a quem oferecer-me para pagar os estragos, telefonei à minha mãe. No fundo, é sempre ela a parte ofendida em caso de desrespeito à terra. E, parecendo talvez que o que está por detrás disso é uma ordem matriarcal, mediterrânica e vagamente neurótica, o que na verdade está é um amor.

Escrevo pouco sobre a minha mãe. Somos demasiado parecidos. Apesar disso, é com ela que me sento a fazer listas de termos açorianos, personagens terceirenses e alcunhas da Terra Chã. Foi ela que, durante vinte anos, se empenhou em pôr-me a par dos mexericos e dos suicídios, das minudências e das tempestades. É com ela que falo do meu avô, é ela quem me cozinha ossos de suã e foi ela que me tornou um sentimental.

Se perco a paciência com a minha mãe, é comigo mesmo que perco a paciência. Se me ocorre enternecer-me comigo, é com ela que me enterneço. O nosso filtro sobre o mundo permanece o mesmo, apesar de eu ter feito missão de me livrar dele.

Ao fim de vários textos sobre os homens por detrás destas crónicas, é tempo de escrever sobre as suas mulheres. A começar pela minha mãe. O meu pai deu-me a devoção ao trabalho e à liberdade. A minha mãe deu-me o amor à terra.

Diário de Notícias, Fevereiro 2015

comentar
| partilhar
Joel Neto


Joel Neto nasceu em Angra do Heroísmo, em 1974, e vive entre a freguesia rural da Terra Chã, na ilha Terceira, e a cidade de Lisboa. Publicou, entre outros, “O Terceiro Servo” (romance, 2000), “O Citroën Que Escrevia Novelas Mexicanas” (contos, 2002), “Banda Sonora Para Um Regresso a Casa” (crónicas, 2011) e “Os Sítios Sem Resposta” (romance, 2012). Está traduzido, editado e/ou representado em antologias em países como Inglaterra, Polónia, Brasil, Espanha e Itália. Jornalista de origem, trabalhou na imprensa, na televisão e na rádio, como repórter, editor, autor de conteúdos e apresentador. Hoje, dedica-se sobretudo à crónica, ao diário e à crítica, que desenvolve a par da escrita de ficção. (saber mais)
Moradas
no facebook
pesquisar neste blog
 
livros de ficção

Os Sítios Sem Resposta
ROMANCE
Porto Editora
2012
Saber mais
Comprar aqui


"O Citroën Que Escrevia
Novelas Mexicanas"

CONTOS
Editorial Presença
2002
Saber mais
Comprar aqui


"O Terceiro Servo"
ROMANCE
Editorial Presença
2002
Saber mais
Comprar aqui
outros livros

Bíblia do Golfe
DIVULGAÇÃO
Prime Books
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Banda Sonora Para
Um Regresso a Casa

CRÓNICAS
Porto Editora
2011
Saber mais
Comprar aqui


"Crónica de Ouro
do Futebol Português"

OBRA COLECTIVA
Círculo de Leitores
2008
Saber mais
Comprar aqui


"Todos Nascemos Benfiquistas
(Mas Depois Alguns Crescem)"

CRÓNICAS
Esfera dos Livros
2007
Saber mais
Comprar aqui


"José Mourinho, O Vencedor"
BIOGRAFIA
Publicações Dom Quixote
2004
Saber mais
Comprar aqui


"Al-Jazeera, Meu Amor"
CRÓNICAS
Editorial Prefácio
2003
Saber mais
Comprar aqui
subscrever feeds
pesquisar neste blog
 
tags
arquivos
links